O Legado Musical da Comunidade Evangélica do Rio de Janeiro.

terça-feira, 28 de maio de 2013

A Comunidade Evangélica do Rio de Janeiro nasceu no dia 11 de abril de 1981, com trinta e quatro jovens oriundos da Igreja Presbiteriana. Estes jovens eram liderados por Ari Caetano do Nascimento e Maria Denise juntamente com Marco Antônio e Juçara Peixoto. A Comunidade do Rio de Janeiro era separada em duas sedes, a da Vila da Penha, pastoreada por Ari Caetano, e a do Flamengo, pastoreada por Marco Antonio.

Na virada da década de 80 para 90, a Comunidade se separou e suas sedes (Vila da Penha e Flamengo) tornaram-se igrejas independentes. A da Vila da Penha tornou-se a Comunidade Evangélica Cristã da Vila da Penha, que seguiu com o pastor Ari, e a do Flamengo tornou-se a Comunidade Evangélica Internacional da Zona Sul, que seguiu com a liderança do pastor Marco Antonio.

Estes dois ministérios trouxeram consigo o legado musical deixado pela Comunidade Evangélica do Rio de Janeiro, antes da separação, mas a ex-sede da Vila da Penha seguiu de forma mais explícita essa linha musical, enquanto os irmãos do Flamengo seguiram de forma mais tímida.

Já antes da separação, hinos belíssimos eram cantados em todas as igrejas do Brasil: Deus é Soberano, Somos Vencedores, Deus Chama Todos Os Povos, Caiam Por Terra...

A Comunidade da Vila da Penha, após a separação, relançou o disco Ao Que Vencer, com o nome de Vencedores, e relançou o disco Está Chegando o Dia, o que reavivou os antigos hinos.

A Comunidade da Vila da Penha foi o primeiro ministério de louvor a se apresentar ao vivo na Rede Globo, no programa da Xuxa, cantando a música Consagração, interpretada pela jovem Aline Barros, filha de um dos pastores da igreja.

Enquanto os irmãos da Vila da Penha já estavam estourados nas rádios e igrejas com músicas como Rei dos Reis, Tua Palavra, Consagração, Tempo de Guerra, Rasgando os Céus, etc, o ministério da Zona Sul resolveu entrar definitivamente no cenário musical gospel, ao lançar o disco Ventos de Avivamento, após alguns discos independentes que, de tão raros, não constam na discografia oficial da Comunidade e que, além da faixa título, trouxe a música A Incomparável Glória de Deus. O disco seguinte foi ainda melhor, com sucessos como Rompendo em Fé, Incomparável, Pra Deus Não Há Impossíveis...

Assim as duas ex-sedes da Comunidade do Rio de Janeiro seguiram fazendo história na música cristã brasileira, até que a Comunidade da Vila da Penha deixou de ter o louvor como o carro-chefe do ministério, e a Zona Sul fez o caminho inverso, tendo como o Louvor como o principal ministério da igreja.

Hoje a Comunidade da Zona Sul é muito mais influente do que a da Vila da Penha, ao contrário do que foi até meados dos anos 90, tendo ministros de louvor como Edson Feitosa e Aline Barros (que trocou a Vila da Penha pelo Flamengo).

Abaixo segue a rica discografia dos dois ministérios, antes e depois da separação:

 COMUNIDADE EVANGÉLICA DO RIO DE JANEIRO:
1984: Deus é Soberano
1988: Ao que Vencer
1989: Está Chegando o Dia

COMUNIDADE EVANGÉLICA DE VILA DA PENHA:
1989. Vencedores (relançamento de Ao Que Vencer)
1990. Está chegando o dia (relançamento)
1992. Tempo de guerra
1994. Tempo de adoração
1994. Tempo de louvor (com algumas músicas do disco Deus é Soberano)
1995. Rasgando os céus (ao vivo)
1998. Tudo se fez novo
2003. Top of line – 20 anos de louvor e adoração
2004. Adoração somente a Cristo
2008. Vou te tocar

COMUNIDADE EVANGÉLICA DA ZONA SUL:
1991: Mudança Radical
1992: Ser Criança
1992: For The Nation
1996: Ventos de Avivamento
1998: Rompendo em Fé
 2000: Marca de Cristo
 2002: Restituição
 2004: Geração de Apaixonados
 2006: 10 Anos ao vivo
 2008: Confiarei
 2011: A Casa

Vale a pena conferir os belos hinos dos dois ministérios, mas recomendo, principalmente, os da Vila da Penha, que são os mais fieis a raiz da Comunidade do Rio de Janeiro.

Diego Rodrigo Souza
Creio No Amanhã

0 comentários :

Postar um comentário