Contra quem guerreamos?

sábado, 14 de março de 2015

"No demais, irmãos meus, fortalecei-vos no Senhor e na força do seu poder.
Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para que possais estar firmes contra as astutas ciladas do diabo. Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais" Efésios 6:10-12.

Essa semana vi um episódio triste e lamentável, um grupo de evangélicos tentando invadir e depredar um centro de macumba (não sei se candomblé ou umbanda, então usarei o termo genérico "macumba") gritando palavras de ordem em um estado quase de êxtase religioso. Ato, esse, que lembrou-me o pastor que chutou uma estátua católica na televisão (não, o tal pastor não perdeu a perna e nem nada disso, é tudo mito. Ele hoje é uma pessoa comum, com as duas pernas, mas afastado de qualquer religião).

Agora, leiam o texto que usei no início dessa postagem, e analisem os fatos. Atacar e ofender a religião alheia é um ato bíblico? É isso que Jesus nos ensinou? Vamos considerar algumas verdades bíblicas sobre o porquê cometer atos de intolerância religiosa não é um ensinamento cristão.

1. João Batista pregava contra a sua própria religião. 
Nos evangelhos, vemos a pregação do último profeta, João Batista. A mensagem dele era clara: Preparar o caminho para a vinda do Senhor, anunciar o Messias vindouro e cobrar os judeus que não andavam como deveriam. João Batista jamais pregou que deveríamos invadir templos alheios.

2. Jesus pregou o amor ao próximo ainda que sejam nossos inimigos.
"Mas a vós, que isto ouvis, digo: Amai a vossos inimigos, fazei bem aos que vos odeiam;
Bendizei os que vos maldizem, e orai pelos que vos caluniam. Ao que te ferir numa face, oferece-lhe também a outra; e ao que te houver tirado a capa, nem a túnica recuses; E dá a qualquer que te pedir; e ao que tomar o que é teu, não lho tornes a pedir. E como vós quereis que os homens vos façam, da mesma maneira lhes fazei vós, também." Lucas 6:27-31.

3. O único momento de ira de Jesus, foi contra a sua própria religião.
"E entrou Jesus no templo de Deus, e expulsou todos os que vendiam e compravam no templo, e derribou as mesas dos cambistas e as cadeiras dos que vendiam pombas;
E disse-lhes: Está escrito: A minha casa será chamada casa de oração; mas vós a tendes convertido em covil de ladrões." Mateus 21:12-13.

4. O apóstolo Paulo, ao ver os templos pagãos, não fez protestos e nem tentou invadir.
"E, estando Paulo no meio do Areópago, disse: Homens atenienses, em tudo vos vejo um tanto supersticiosos; Porque, passando eu e vendo os vossos santuários, achei também um altar em que estava escrito: AO DEUS DESCONHECIDO. Esse, pois, que vós honrais, não o conhecendo, é o que eu vos anuncio." Atos 17:22-23.

5. Os verdadeiros cristãos tem o fruto do Espírito.
"Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança." Gálatas 5:22-23.

6. Nossas armas não podem ser ameaças, pedras, ofensas, chutes, confusões etc.
Nossas armas são espirituais: "Porque, andando na carne, não militamos segundo a carne.
Porque as armas da nossa milícia não são carnais, mas sim poderosas em Deus para destruição das fortalezas, destruindo os conselhos, e toda a altivez que se levanta contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo o entendimento à obediência de Cristo" 2 Coríntios 10:3-4.

Considerações sobre a Armadura de Deus:
"Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, havendo feito tudo, ficar firmes. Estai, pois, firmes, tendo cingidos os vossos lombos com a verdade, e vestida a couraça da justiça; E calçados os pés na preparação do evangelho da paz; Tomando sobretudo o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do maligno. Tomai também o capacete da salvação, e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus" Efesios 6:13-17.

Analisando todos os itens dessa armadura, vemos que nenhum deles é para atacar, com exceção da espada. Mas essa espada é a do Espírito, que é a Palavra de Deus, e esse é o nosso único meio de ataque: Anunciando o Evangelho, mas sabendo que quem convence as pessoas não somos nós, nem nossa força, nem nossa persuasão, nem nossa violência, e sim o Espírito Santo: "E, quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, e da justiça e do juízo". João 16:8.

Por fim, ofender religiões alheias, atacar e depredar templos e outras imagens religiosas, não é uma atitude cristã, e sim um crime de intolerância religiosa. Se queremos que o mundo acredite na mensagem do Evangelho, devemos ser o exemplo e praticar aquilo que lemos na Palavra de Deus.

Aos que usam o Antigo Testamento como base para praticar atrocidades, lembro que somos filhos da Graça, adotados por Cristo, isentos da Lei Mosaica e todos os rituais judaicos, e ressalto que Cristo aboliu a Lei, e tudo a partir dele se fez novo. Nossa regra de fé e conduta são os ensinamentos de Cristo, por isso mantenho-me pacífico com as outras religiões, mesmo não concordando com elas, mas levanto-me para criticar os horrores que vejo no meio cristão, pois essa deve ser a atitude de um servo de Deus, tirado das trevas para a luz.

Não deixem a manipulação religiosa, praticada por pastores, bispos, apóstolos e semi-deuses afetarem o seu relacionamento com Deus. A Verdade é uma só, e os líderes religiosos fogem dessa Verdade, querendo que nós acreditemos apenas no que ouvimos nos templos e igrejas atuais.

Nossa guerra não é contra espíritas, católicos, macumbeiros, judeus, muçulmanos...
Nossa guerra é contra o diabo e seus anjos, nas regiões celestiais.

Sola Scriptura.

Diego Rodrigo Souza
Creio No Amanhã

0 comentários :

Postar um comentário