Quem foi São Jorge?

quinta-feira, 23 de abril de 2015


Um soldado cristão do Império Romano no século 4. Quando o imperador Diocleciano declarou perseguição aos adeptos do cristianismo, Jorge protestou e acabou sendo torturado pela insolência. Ele morreu decapitado em 23 de abril de 303, mas sua história foi contada em diversas cidades do Império Romano pelos soldados que estavam em missão. Foi assim que ele ganhou sua fama e virou são Jorge, o santo guerreiro. Essa é, em teoria, a história verdadeira, conforme é contada pela Igreja Católica. Mas o santo também está envolvido em algumas lendas.

MUITO MILAGRE PARA POUCO SANTO

Supostamente nascido na Capadócia, de luta com dragão até casa na Lua, as histórias com São Jorge acabaram gerando um folclore próprio.

Cuspindo fogo

O dragão representa o diabo e vem de uma lenda antiga, que falava de uma cidade que oferecia jovens à besta em sacrifício. Quando foi a vez de a princesa morrer, são Jorge apareceu, domou a fera e fez com que todos da cidade fossem batizados

Confusão histórica

A armadura de são Jorge reforça a imagem de santo “guerreiro”. Mas a cruz vermelha só foi associada a ele no começo do século 12, quando a Inglaterra a adotou como sua bandeira. O símbolo foi criado durante a Primeira Cruzada

Benção disputada

São Jorge é padroeiro de vários países, como Inglaterra e Portugal. No Brasil, protege as cidades de Rio de Janeiro e Ilhéus. Já o Corinthians adotou o santo porque, em 1926, inaugurou sua sede no bairro do Parque São Jorge, que hoje é o Tatuapé

Montaria albina

Ninguém sabe se Jorge montava mesmo um cavalo branco no Império Romano. Entretanto, a mesma lenda que originou a figura do dragão também diz que foi assim, galopando o branquelo, que o herói salvou a cidade em apuros

No mundo da lua

A lenda de que o santo mora na Lua pode ter raízes brasileiras: na Umbanda, são Jorge corresponde a Ogum, o santo da guerra. Esse orixá tem energia masculina, o que o faz buscar vibrações femininas na Lua - daí a relação

[As lendas têm origem incerta. O Papa Paulo VI admitiu que foram passadas de boca a boca e que não há fatos históricos que comprovem sua veracidade].

Luiza Wolf
Mundo Estranho

0 comentários :

Postar um comentário